23 abril, 2017

TANTO QUE SIM

O inesperado e sempre tendencioso aos olhos humanos. O talvez é sempre uma prática do suposto sim com uma leve pitada do não. Ligeiramente somos obrigados a romper o Imem que nos separa da escalada para o proibidismo da praticar correto.
Somos apenas loucos pela ilusão.
Somos sábios em dizer talvez.
Somos loucos quando tentamos esconder, o que nunca fomos capazes de fazer.
Hoje em dia
Dia de hoje
Acordei e fui para a janela, com uma xícara branca, contendo um pouco de café extra forte.
Lá fora, o sol quente me enlouquecia pelo valor que ele me proporcionava, sem o talvez mas com certezas que afloravá o sarcástico eu, e minhas palavras.
Mas na verdade, o que predominou, foi mesmo o proibido que me aguniava a todo instante me deixando a deriva do descorforto de não ter feito e nem reagindo.
Fui ali.
Joanderson Ribeiro
14.04.17

REVOLTA

Me deleito nas palavras aprovisionadas na minha mente, fértil e viril. 
Não vejo nenhum problema em recomeços, 
É até adequado, quando quero descobrir que a terra apenas gira. 
Minhas palavras me fazem refém do amor.
Do algo que nunca foi feito.
Do rateio desorganizado do obscuro.
Mas sinceramente, sou um louco por palavras adeptas ao amor. 
Tudo podemos, mas poucos fazemos.
Loucuras da revolta. 

Joanderson Ribeiro
abril 17

TANTO QUE SIM

O inesperado e sempre tendencioso aos olhos humanos. O talvez é sempre uma prática do suposto sim com uma leve pitada do não. Ligeiramente...