16 maio, 2012

PALAVRAS QUE DOEM

Sem  querer te quis, mais sem te procurar te perdi diante de alguns acontecimentos que passaram por mim em uma rapidez insubstituível.
Amei até o fim.
Me deliciei com seu corpo. 
Me assustei com suas palavras.
Todos os dias deixei de sonhar comigo, e assim automaticamente te queria mais que o ar.
As vezes te queria o dia inteiro, outras te queria muito mais que eu imaginaria. 
Amor, eterno amor, hoje te deixarei ir para bem longe de meus olhos, para assim fazer outra pessoa mais feliz que eu fui, ou mais escrava do que outra pessoa foi. 
E assim será até os confins da terra.
Eu aqui descrevendo o tal sentimento e você ai sorrindo de um bobão que deixou de viver para te ter por mais alguns segundos e assim foi se fazendo os anos afora.
Lembrei agora de belos momentos que passamos... Lembrei  das lagrimas que derramei por felicidade. Lembrei do seu rosto lindo... das suas insonias, de suas loucuras que fez por mim. Loucuras? Nem uma.
Lembrar vem de lembranças ou e ao contrario? 
Estas palavras saem das pontas dos meus dedos em uma noite fria, com alguns chuviscos no telhado do meu quarto, o mesmo que te acolheu durante algum tempo.


E foi assim, tudo foi acabando aos poucos.
Seus beijos passaram a ser desnecessários, assim como sua presença.
Suas palavras foram embrulhando meu estomago de tal modo nunca sentindo.
Seus passos deixaram de ser musicas aos meus ouvidos para ser um desprazer total.
Sua pele fez com que minhas mãos ficassem sujas de uma hora para outra então foi dai  que resolvi te deixar ir meu pássaro nobre, porque nem mesmo minhas palavras ficam pressas a minha mente elas saem e são vistas e lidas por muitos, que nem essa.
E assim se vai mais um ensinamento da vida: De que não podemos ter tudo, mais o pouco trazia felicidade.


Adeus...


Joanderson Ribeiro
16-05-2012

2 comentários:

TANTO QUE SIM

O inesperado e sempre tendencioso aos olhos humanos. O talvez é sempre uma prática do suposto sim com uma leve pitada do não. Ligeiramente...