05 outubro, 2011

TRANSITO PARADO

Depois de um dia maravilhoso, uma chuva me faz mais vivo e de alma lavada e sempre na certeza que tudo ao meu redor e um imenso palácio, onde a cada dia descubro que nesse caminhar não estou só e muito menos procurando a grandes felicidades nas pequenas coisas do dia-dia.
Chamam-me de louco por sorrir chorando, ou gritar para meus problemas que eles sim são passageiros nos meus passo a passo durante um dia ou uma noite.
Quanto aos meus sonhos eles parecem mais fortes a cada segundo que eu respiro: Eles são minhas entranhas fixadas na vida que se movem ou se transformam de acordo com meus pensamentos ou lógicas que eu encontro para assim continuar buscando esclarecimento sobre as perguntas que não tem fim.
Será que eu sou realmente um louco ao ponto de esconder quem eu sou atrás destas palavras que são mais subordinadas quanto a infelicidade que descem pelo rosto de outras pessoas que não sabem sonhar traduzido assim por lagrimas? Ou será que eu posso doar um pouco das minhas palavras para aquele que tenta ficar vivos e acamado  totalmente afundado no desanimo de não ver pela janela o mesmo sol que nos ilumina. Será que eu poderia levar um pouco de brilho para aquele rapaz que se esconde embaixo da cama do amor que o persegue ate mesmo por sonhos em noites quentes? Ou ainda melhor posso ensinar que o sorriso e o unico remédio para a dor que se estala dentro de qualquer pessoa.
Porem tudo isso será em vão se pronunciarem um “não” e assim tudo que foi dito e vivido será anulado, e posto para fora as alegrias que um dia fizeram parte das esperanças que nunca se acabavam.
E foi assim que tudo acabou...

Joanderson Ribeiro
05.10.2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário