13 maio, 2011

OBRIGAÇÕES DO DIA SEGUINTE

Suas palavras foram inúteis quando eu descobrir que isso tudo não foi amor, mais sim uma insônia que me deixou desolado em meio a uma pista vazia em uma noite fria, onde meus pensamentos eram brutalmente compactado dentro de algum tipo de pensamentos que tremia, não pelo frio, mais pelo que estava acontecendo naquele hora.
Cheguei em casa e ainda desolado, deitei-me  para assim esconder de alguma forma o tal do sentimento, mais pensando bem, qual era esse tal que me tirava o sono? amor ou dor? Logo a pois me fazer a tal pergunta pertinente que me deixava cada vez mais desequilibrado e eu ainda arranjei tempo  para assim deitar e dormir, afim de esquecer as tais preocupações sem fim, como a linha do trem que passa próximo a minha casa e é visto da janela do meu quarto os longos vagões que transportam algo totalmente utilizável, menos minhas respostas, que não são poucas.
Depois do tal sono, ainda tenho que buscar as tais respostas que não me deixam mais dar nem um passo nem para frente, para traz e muito menos para os lados, para tentar fujir. 
Logo lá no horizonte o sol desaparece, levando toda sua luz que iluminava o tal desrespeito feito por algum tipo de sentimento ainda em oculto... Logo após o tal show do senhor sol, veio a noite, cheio de lamentações e com um gosto de sono...
No outro dia tudo funcionou como no dia anterior, mais com uma pequena quase não notada as tais respostas que estava atras, mais não consegui entender e assim me perdi no meu mundo, construindo para aguentar o medo e sobreviver contra as investidas da vida...
Ao final, nada sobrou, mais tudo faltou
Faltou eu ser feliz.
Faltou um amor.
Faltou a raiva
Faltou a dor 
Faltou ate mesmo estas palavras de consolo pelo que nada houve
Faltou o sol na noite ou agua no copo da minha vida.
Faltou entretenimento nos meus passos, largos e agora desgastados.
Mais ainda sim, na falta do não ter ou ter, escondi meu medo e fui ser feliz dentro do prazo dado a mim chamado de vida por todos nós...

Ate nunca mais..ou sera muito tempo para não nos encontrar?


Joanderson Ribeiro
13.05.2011





Nenhum comentário:

Postar um comentário

TANTO QUE SIM

O inesperado e sempre tendencioso aos olhos humanos. O talvez é sempre uma prática do suposto sim com uma leve pitada do não. Ligeiramente...