05 janeiro, 2011

UMA ARMA

Diversas palavras vem a minha mente, onde me perco sempre que as tento colocar em ordens.
Sou louco, inguinorante, mais nem sempre esperto para desifrar corações pertubados pela dor de se contentar com apenas um aperto de mão.
não, mais nada disso acontece, enquanto quero desifrar aqui minhas palavras, outras pessoas choram pelo que não tem: um amor para se enganar.
O Doce janeiro, amargo como fel, me possobilita ter na ponta de meus dedos desemfreados uma arma inbátivel, o sentimento, por mais perfeso ou tão tranquilo ao mesmo tempo que o dia acaba, fazendo-me ter certeza que tudo tem sua ocasião de acontecer, um tipo de ordem que ainda não cnseguimos desifar, como nossas vidas.
Doce janeiro... assim como hoje e agora te amo, como os outros amam o acaso ou o inevitavel.
Joanderson Ribeiro
5-01-2011

Um comentário:

  1. ÔI Joanderson!
    Muito bacana seu blog.
    Com bela frases e textos inteligente como esse.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir