30 janeiro, 2011

PENETRAVEL FEVEREIRO


Chega de te descrever
Chega de me fazer de santo
Chega de tentar organizar suas palavras desaprovadas por mim
Chega de te contar histórias perturbantes
Chega de ter, e nada haver
Chega de se entregar ao nada ou ao acaso
Chega de suas palavras tolas
Chega de me achar um ser incompetente
Chega de te deixar calmo e logo após me matar
Chega de resolver o que não e solução
Chega, chega, chega
Quero apenas viver, mais com toda certeza eu nunca te esquecerei, de suas palavras.

Chega, chega, chega
de organizar meu emocional, para logo após nada ter, só apenas uma imensa bagunça.

Chega te sonhar que te tenho, quando na realidade tudo acabou nessas palavras.

Cheguei ao fundamento, mais qual? De que?
Chega
Chega!!!


Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
30. JAN.2011

PELA ESPERNÇA A NOITE

Na Penumbra da noite o que sobrou alem de pisadas no chão foram de um homem desesperado foram suas saudades do que não coube pertencer. Ainda sim, chorava e enxugava as lagrimas com um lenço azul com suas iniciais bordadas em uma das pontas. Já era tarde e nem suas andanças por aquela rua era capaz de lhe devolver o sono que havia perdido há muito tempo.
Andou por quadras e nada encontrou, ate porque andava-se mais pensava-se em outras coisas que iam muito alem de seus conturbado dia que chegou ao fim com um saldo totalmente negativo, mais assim mesmo querendo resposta sobre os acontecimentos acabou perdendo seu lenço que tanto segurava com força na mão direita.
Mais ainda caminhando para o nada, em uma noite gelada nada lhe trazia resposta.
Na sua mão esquerda em um dos seus dedos, uma aliança brilhava, mais era ofuscado fácil pelos seus olhos. Nela estava gravada as iniciais de seu grande suposto amor que nunca existiu porque o que sobrou depois de um sonho foi exatamente nada.
Grossa, de ouro foi muito cara para quem não merecia nem mesmo um pedaço de carinho roubado de uma estatua na praça central da sua cidade.
Ainda na rua, pensou de todas as maneiras em como acabar com aquela insônia perfeita para quem não conseguia nem mesmo respirar aliviado.
O único modo de acabar com isso tudo era apagando da sua mente tudo que não lhe pertenceu nunca, nem mesmo um fio de um sonho imperfeito.
Mais ainda andando por lugares escuros sua mente não se cansava de perguntar o porquê de tudo aquilo, mais não obtia sucesso e assim ainda caminhando, avistou um banco, branco manchado de alguma coisa preta, que teve certeza que era tinta quando chegou bem perto e passando mão na tinta verificou que estava seca.
Sentou-se e ali mesmo começou a chorar de remoço porque não havia nada a ser feito a não ser abrir os olhos para a vida que vinha com o amanhecer do dia e ainda trazia esperanças destreinadas que absorvia toda sua mágoa todas as vezes que derramava pelo rosto pingos de lagrimas.
E assim o dia foi amanhecendo aos poucos dando lugar aos pássaros que cantavam felizes por mais um dia de sol maravilhoso, inversamente do que estava sentindo ali naquele exato momento.
Levantou-se e caminhou em direção a sua casa e agora com plena certeza que se estava sem sono era culpa unicamente sua e que se as coisas tomaram esse rumo era hora de acordar, mesmo que Chorase mais que aquela madrugada.
Quando chegou a sua casa, não encontrou o seu amor, a sua paixão, porque em questão de segundos foi-se? Fez essa pergunta para si mesmo e não teve sucesso na resposta esperada.
Foi daí que descobriu que nada daquilo existe. Tudo que passou foi pura fantasia de um amor esperado que não faz a diferença hoje para seu ego.
Apagou a luz, sentou-se na beira da cama nova, colocou seu pijama e deitou, dizendo:
Sei que você não existe, mais um dia eu te encontrarei amor de momentos inacabados.
Enrugou as lagrimas, e foi dormir.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
30. JAN.2011

LISTANDO O QUE HOUVE

Acabaram minhas palavras e apenas um verdadeiro e profundo sentimento ainda me mantém atordoado todas as vezes que me lembro dos dias que asusedeu este, tão lindo lá fora, mais tão inguinorante aqui nestas pequenas linhas, assim como vários iguais a mim.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
30. JAN.2011

INDENTITADE


Alem de um simples sonho ha sempre grandes
realizações que fazem uma imensa diferença.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
30. JAN.2011

HOJE E AMANHÃ

Diversos erros e passível de grandes decepções, porem não temos o direito de parar em meio ao caminho da felicidade e derrepende sentar-se no chão e nada mais fazer.
Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
30. JAN.2011

RAPIDO

Existem sempre
dois pontos em tudo,
começo e meio e o fim
e determinado por nós.


Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
30. JAN.2011

ACONCELHAMENTO


Um sentimento de liberdade invadiu meus passos, talvez errados ou certos, mais e impossível deter este tal que abri as portas de um novo mundo, talvez eu este louco, mais ainda bem passível de erros inacreditáveis, assim como você.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
30. JAN.2011

29 janeiro, 2011

IMPERFEITO

Atrás da insignificância de cada coisa ao nosso olhos, nada alem do nosso querer e suportável, mais deixamos para traz o verdadeiro valor que ele tem, o de nos proporcionar verdades como essa.


Joanderson Ribeiro
Joandersonpalavras.r7.com
29.JAN.2011

TRANSFERENCIA

Transformei o medo em audácia, mais não conseguir te transformar em um nada que não me machucaria, mais ainda pretendo te deixar do lado de fora da minha vida, amor ingrato para uma vida passageira.


Joanderson Ribeiro
Joandersonpalavras.r7.com
29. JAN.2011


SERIO

Nada e capaz de intefereir em nossa felicidade, mais deixamos sempre um pequeno espaço entre nós e a vida e isso faz com que algo não esteja coreto quando
um simples sorriso e banido no nosso viver.


Joanderson Ribeiro
Joandesonpalavras.r7.com
29 .JAN.2011

ULTIMAS CONFIÇOES

Das muitas verdades que eu te falei,
todas eu tenho certeza que foram apagadas pelo seu ódio ou pela falta de sua plena atenção que me condena a cada minuto.
Por outro lado ainda estou vivo, e agora mais que nunca buscarei a minha felicidade em um novo terreno na vida.
Vivamos então com coragem, sem julgar e se condenar pelos acontecimentos que a vida no proporciona.


Joanderson Ribeiro
Joandesonpalavras.r7.com
29.JAN.2011

ATENÇÃO

Preciso de um favor: deixe-me viver, amor Inguinorante,
absurdo como rosas que morrem com seus respectivos brilhos
e não mais exala seu verdadeiro sabor de vida.

Joanderson Ribeiro
Joandesonpalavras.r7.com
29.JAN.2011

28 janeiro, 2011

ABALOU-ME

Nada fiz, mais em poucas palavras fui banido do seu sentimento que me fazia ter certeza que era para sempre, mais nada disso foi possível, e em questão de linhas como estas, tudo acabou-se, mais ficou algum tipo de aprendizagem que nada e para sempre, mais enquanto temos, podemos ser felizes, mesmo que tudo acabe conturbadamente como a flor em um jardim desconhecido que morreu por falta de cuidados.

Joanderson Ribeiro
Joandersonribeiro@r7.com
29.01.2011

27 janeiro, 2011

ANTES QUE HOJE

Assustadoramente ainda tenho forças para caminhar em um terreno desconhecido por mim, mais sei que passarei por ele, talvez com pequenos arranhões para poder aprender que nem tudo que falo e reconhecido por ouvidos destreinados que por eles, julgam e ainda me dão um sentença: MORTE
Minhas palavras que aqui estão são frutos de um desespero interno, um tipo de prisão que pretende me deixar mais apreensivo a cada minuto, mais a esperança ainda resiste a tantas injustiças que não são pacificadoras, mais fica aqui a certeza que nada derrubará minha palavras, mais forte que minha própria vida.

Assim calei-me e observei o que esta por vim, amanhã.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
27.JAN.2011

25 janeiro, 2011

BREVEMENTE

Fazer o que se minhas palavras não chegam mais aos seus ouvidos como uma verdade que pode muito bem ser percebida por você.


Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
25.01.2011

23 janeiro, 2011

SIMPLIFICADO

De acordo com seu sonho somos perfeitos o bastante para julgaram mais nunca sermos julgados, mais ainda temos muito que viver e conviver com corretivos que um dia a vida vai nos mostrar quando por algum modo abrirmos os olhos para o presente, e assim rapidamente mudaremos de opinião.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
23. JAN.2011

ABSOLUTO

Tudo se foi, com um silencio que mata aquele ser humano que ainda ver pelas fotos a sua felicidade, aquela que vivenciou cada Segundo de milésimo.
Apagaram a luz do seu coração, e com certeza quem sente mais a falta da segurança e de um corpo para tocar nos dias frios, mais por outro lado ele sabe que nada e para sempre, nem mesmo seu amor que jurou por longas datas, para aquele outro ser humano.
Mais e chegada a hora da verdade, aquela que lutamos e relutamos para ter certeza que não existe nada ali, claro que ele pode ocultar aos seus olhos mais a vida lhe tratará de mostrar a ele a amarga realidade que pela qual não esta acostumado.
Foi-se tudo, o amor
Foi-se ate suas esperanças de um futuro bom, mais ele não reparou que ficaram suas forças para lutar agora com novos passos, e agora mais firmes.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
23. JAN.2011

22 janeiro, 2011

DESAPARECIMENTO

Seus últimos momentos foram rápidos,
como um raio atravessa o céu, mais ficaram
saudades de uma certeza que seu futuro iria ser
totalmente diferente, mais só ficam saudades do que não fez
e arrependimentos do que perdeu pelo meio do caminho da vida.


Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
22 JAN.2011

RESPONDA-ME

Transferindo o medo de não ter para aquele que tem, ele com certeza quer o ter, porque alem dele retroceder, passara pelas mesmas dores que fizeram chagar até ali.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
22 JAN.2011

Obrigaçôes

A liberdade nos submete a ter certeza que aquela escolha e a correta, mais nem sempre somos capazes dessa afirmação, ainda mais quando os nossos passos são incertos.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
22 JAN.2011

DOIS OU NADA

Preciso amar o errado em um mundo totalmente correto,
onde mataram o amor e por conta disso afoguei de vez
sua dor minha criatura substituível aos meus olhos.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
22 JAN.2011

ADIANTE

Diante de tantas palavras ditadas pela minha vida, o que me sobrou foi estas, que me fazem ter certeza que o amor e mais um sentimento que cultivamos no nosso coração para ter certeza que nada que fizemos enquanto se amava foi em vão, mais assim mesmo anda sofremos.

Joanderson Ribeiro
joandersonribeiro@r7.com
22 JAN.2011

09 janeiro, 2011

MENTE PERIGOSA

A verdadeira verdade e aquela que a qualquer modo escondemos por traz de nuvens chamadas de lagrimas e enterrada a milhares de dias luz do mundo.


Joanderson Ribeiro.

CAMINHANDO

Antes de colocar a vida em ordem,
desorgaize-se, desobistrua seu
medo de tentar, e o mais impossivel,viva.
Joanderson Ribeiro
09.01.2011

TEMPESTADE

Sempre e muito tempo para se amar algo errado que pode vim a qualquer momento desabar, como suas lagrimas que um dia derramou por mim.

Joanderson Ribeiro.
09.01.2010

ESTIVE AQUI

Assim tentaremos ser
feliz,
sem raiva,
sem rancor mais
sempre
com um pouco
de desconfiança
sempre
que o mundo
ultrapassar
a minha
retina ao
amanhecer.

Joanderson Ribeiro.
09.01.2010

05 janeiro, 2011

UMA ARMA

Diversas palavras vem a minha mente, onde me perco sempre que as tento colocar em ordens.
Sou louco, inguinorante, mais nem sempre esperto para desifrar corações pertubados pela dor de se contentar com apenas um aperto de mão.
não, mais nada disso acontece, enquanto quero desifrar aqui minhas palavras, outras pessoas choram pelo que não tem: um amor para se enganar.
O Doce janeiro, amargo como fel, me possobilita ter na ponta de meus dedos desemfreados uma arma inbátivel, o sentimento, por mais perfeso ou tão tranquilo ao mesmo tempo que o dia acaba, fazendo-me ter certeza que tudo tem sua ocasião de acontecer, um tipo de ordem que ainda não cnseguimos desifar, como nossas vidas.
Doce janeiro... assim como hoje e agora te amo, como os outros amam o acaso ou o inevitavel.
Joanderson Ribeiro
5-01-2011

03 janeiro, 2011

02 janeiro, 2011

FOI-SE

Apesar de poucas palavras, ainda tenho em mente
o desejo que me mentem fora do coração tão
insignificante quanto um não, indispensável
para meu passo e ao mesmo tempo tão indecente
quanto seu rosto machucados pólo tempo..


Joanderson Ribeiro
03.01.11

CONTABILIZADO

Momentos a dois
Menos um
Dividido em dois,
Multiplicado por varias palavras
Resultando em eu.

Joanderson Ribeiro
03.01.11

PRECISA-SE

Ontem foi dois, um novo começo para um amor antigo
capaz e acabar com o amanhã em uma realidade
descontente com os próprios passos:
Mais ainda se ama, engana-se e permiti-se chora.

Joanderson Ribeiro
03.01.11

TANTO QUE SIM

O inesperado e sempre tendencioso aos olhos humanos. O talvez é sempre uma prática do suposto sim com uma leve pitada do não. Ligeiramente...