23 junho, 2010

FRANCAMNETE

Um olhar pode deixar
ou botar tudo a perder
quando as palavras na são
mais um meio de troca de idéia.
Em um olhar somos capazes de
morrer ou virarmos santos, mais
também podemos virar de uma hora
para outra um rei ou um bandido, um rico
ou louco, esperto ou um principiante na vida.
Em uma única piscada, tudo acaba como, por exemplo,
o mundo das palavras.

Joanderson Ribeiro
17.06.2010

ENSAIO DA VERDADE

A verdadeira verdade e
aquela que não esperamos
nunca escultar ou aquela
que pela qual desconhecemos
seus princípios e seus fins.



Joanderson Ribeiro
17.06.2010

UMA ARMA


O homem se torna imbatível quando sua língua e
maior que sua história, que por outro lado existem
conseqüências que podem mudar muitas vidas
até dele mesmo.
Diante disso, podemos ter certeza que este é
capaz até mesmo de aniquilar sua própria vida.
Joanderson Ribeiro.
17.06.2010

20 junho, 2010

Um momento

Pessoas são para serem felizes,
mais preferem chorar por um dor que não exixte.
Choram por um erro.
Lagrimas indesentes descem pelo seu rosto cansado
de produzir algo qua ainda não existe.
Joanderson Ribeiro
20.06.2010

16 junho, 2010

INIMIGO DA INSÔNIA



A verdade e que tudo que te falei, foram mentiras
misturadas com sonhos absurdos.
Acredito que apaguei apenas com a borracha do

esquecimento.
Tentei chorar, mais nem uma lagrima corrompeu

a sede do meu rosto. Tentei expressar meus sentimentos,
mais quais. Tentei acreditar onde e com quem estava
mais não me recordo se tinha me distraído da ilusão,
que me faz respirar.
Tentei outras coisas, só não te amar como tu me ama.
Hoje sei que estava em um sonho profundo mais ainda

sim em um perturbador e gótico sonho, transformado
por mim em um vão, em um nada.


Joanderson Ribeiro
16.06.2010

08 junho, 2010

PALAVRAS

Palavras que não me faltam,
adormecem meu peito.
Sonhos, fofocados
Ser humano passivel de medo.
quando amanhecer, quero sair corendo.
Quando eu voltar quero debrusar-me
em uma messa e jogar em uma folha tudo,
exatamente tudo que nã me faz feliz,
assim como o amor.

Vou fofocar tudo e todos.
Até quando?


Joanderson Ribeiro
08.06.2010

03 junho, 2010

Sonho com meus sonhos.
Venho nestas poucas palavras que me restam dizer-lhes
que estou vivo, vivendo de acordo com meu qerer continuo
de não ter uma esperança sabia, porém meu corpo debrusado
no medo de não ter o que de fato tenho.
Talvez estas palavras não poderam ser lidas por ninguem que desprese
o seu bem estar, social ou familiar.
Creio eu que estas poucas linhas,
poderam ser meu refugio, em um mundo totalmente
insolado do sonho, poupudos e inprovaveis.
Tento assim socorrer meus pensamentos, com um pouco de auforia,
mais não tenho o sucesso obtido.
Critei, sonhei, acreditei, deitei e durmi,
olhando para o mundo a fora.
As estrelas dona dos sonhos? Não as vi inda.
Tento não sentir medo diante do predio de palavras,
nem pisar em letras que parecem passarelas ou muito
menos me deitar com perguntas, praticante infudaveis e infaliveis.
Muito me e dito, mais poucas são para acreditar.
Muitos serem humanos, mais poucos com um pouco em
seu coração de coragem.
Muitas são as perguntas, poucas são as tais das respostas.
Preciso talvez e de um pouco de sono, até quem sabe amanhã,
ou vou para o sonho de muitas pessoas, para um sempre tão aguardado.
Dentre estas palavras, prossigo, aguardando indigestamente o
agora, para tentar viver, e sobreviver em um mundo
totalmente independente.
Sigo-me, proseguindo o meu futuro...
Até um talvez, quem sabe na terra dos sonhos,
onde a insonia, persegue infinitamente o ser respeitado
pelas sua palavras, sabias.
Sonhei, escrevi e acabei lendo o meu passado para não passar para traz o sonho.
Joanderson Ribeiro
03.05.2010