18 dezembro, 2010

PEDAÇO DE VIDA

Tristes foram seus olhos quando descobriu que o amor nada mais e do que uma imaginação deprimente, que tem coragem de substituir diversas coisas na vida, por um pouco de carinho que nos leva a loucura todas as vezes que tentamos imaginar que tudo esta ao nosso favor.
Pobre ser indecente, conseguir chorar por dias a fora, que hoje não fazem menor diferença.
Decidiu-se durante sua caminhada até sua realidade, que nada seria capaz de apagar aquele sentimento insistente, mais ao contrario de outras pessoas, ainda chorou. Chegou uma hora que quis morrer, quis gritar, quis seqüestrar a felicidade reconquistando aquele outro ser humano, mais não teve sucesso indiferente do primeiro beijo, do primeiro olhar tão eloqüente que ficou na memória daquele ser humano que até então se julgava, forte, mais não indestrutível.
Seus passos foram ficando cada vez mais tortos, sua mente cansada de sofrer.
Seu silencio era óbvio aos olhares daquele outro ser mais imperfeito que a vida.
Então decidiu-se passar por cima do amor, assim caminhando em passos firmes tenta viver ao Maximo , mais sabe que sempre haverá um pingo de lagrima no canto de seus olhos para derramar por um amor não correspondido.
Vive-se bem, não amando, mais ainda melhor amando, disse aquele ser, mais por outro lado aliviaremos a dor, não mais amando.

Joanderson Ribeiro
18.DEZ.2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TANTO QUE SIM

O inesperado e sempre tendencioso aos olhos humanos. O talvez é sempre uma prática do suposto sim com uma leve pitada do não. Ligeiramente...