26 dezembro, 2010

PASSOS NO DESERTO

Grande foram suas palavras.
Idéias? Sim ele teve, mais por outro lado, o que escondia a qualquer custo, o que ninguém conhecia, mais de vem quando deixada isso transparecer, mais nada que o deixasse a margens da descoberta dos outros.
Ele um rapaz altamente educado, sabia que a vida não era o paraíso que outras pensam.
Julgava simultaneamente todas as pessoas que passava em sua frente, mais da boca para fora eram amigos do peito que lhe fazia sorrir falsamente.
Todos os dias tinha uma rotina: trabalho e depois casa, mais acima de tudo apenas queria viver.
Depois te tantas idas e vidas, em seus sonhos, sonhou que não acordava e foi isso que aconteceu, não teve nem como amar, matar, correr, olhar pela ultima vez o sol que tanto lhe incomodava, olhar as rosas que não escondiam seus brilhos, que o apavoravam.
Mais nada poderia fazer.
Foi-se levando o ódio que plantou em seu coração.
Em questão de segundos parou de sonhar, e começou agonizar, preso em seu próprio mundo, tão pequeno quanto seus passos.
Isso, fracasso de quem viveu e se enganou.
Sumiu e assim suas magoas também...
Ser humano na realidade nunca foi mais ele vivia definindo tudo até seus passos como certeiros em um mundo totalmente errado.
Foi-se como veio... Veio como foi.
Indo e não mais voltando.
Ser indecente, limitador e enganador


Joanderson Ribeiro
21. DEZ. 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário