15 novembro, 2010

ACASOS

Enquanto há silencio, há uma
paixão indefinida que não se comunica.

Depois que deixei para traz passos inacabados,
não sei por onde começar ate amar mais e mais...
amor cruel.

Passaram-se dias, mais nada pude fazer
para te ver sorrindo, solidão insignificante.

Depois que tudo passou, fui dormir,
mais não tive coragem o suficiente
para fechar os olhos.

Logo logo, adormeci e assim voltei para meu mundo,
um tipo de intimo ao extremo doce, mais ignorante.

E assim convivo com uma espécie de pavor maravilhoso...
Vida por vida, eu sigo, mais também sou perseguido.
Se eu parar pega-me e de vez acabam comigo,
com únicas esperanças sem maldades no final de tudo.

Minhas palavras, meus passos.
Um comum ao acaso

Jooanderson Ribeiro
15.NOV.2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TANTO QUE SIM

O inesperado e sempre tendencioso aos olhos humanos. O talvez é sempre uma prática do suposto sim com uma leve pitada do não. Ligeiramente...