25 março, 2010

Longos dias.

Palavras de amor me fazem infeliz, quando era para sorrir.
Chorar em vez de ter
Gritar em vez de sorrir.
Crer quando um pingo de gau maata a sede.

Deixar escapar enquanto se tem
Viver enquanto e tempo.
Certificar-se de que tudo e todos estão doidos.
Fazer de conta que o mundo e só apenas uma passagem nada interresante.


Enteder palavras em meio a choros desemfreados
Amar quando mais nada existe.
Trazer a infelicidade e acreditar que nada e capaz de resolver.
Esperança espancada pela coragem de não viver.

Tocou o telefone, sera quem e?
Meu medo a flor da pele,
Loucuras de pensamentos se contradizem.
Acordei no sonho, onde eu estava em meio a um mundo obstruido pela dor.
E esta crescia quando nós seres humanos fossemos retalhados toda vez que
acordasemos em meio as flores de um jardim chamado mundo.

Joanderson Ribeiro 25 de março de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TANTO QUE SIM

O inesperado e sempre tendencioso aos olhos humanos. O talvez é sempre uma prática do suposto sim com uma leve pitada do não. Ligeiramente...